Festivais para gente adulta



Festivais para gente adulta

Brian Molko, o andrógino líder dos Placebo, tem 49 anos. Peter Murphy, o carismático barítono dos Bauhaus, 64. Mike Scott, o “lunático” dos Waterboys, 63. E Manel Cruz, o Capitão Romance dos Ornatos Violeta, caminha para os 48. A idade é apenas um número mas este quarteto pré e pós-cinquentão espelha uma mudança de paradigma na música popular, sobretudo na cultura rock, que começa pelos seus protagonistas e se reflecte em quem a consome.

A história do rock, na segunda metade do Séc. XX, está ligada à juventude inquieta, a movimentos contra-culturais como o hippie ou o punk, a transgressões, subversões, drogas, sexo e outros excessos. O clube dos 27 está cheio de ícones do rock – Jimi Hendrix, Jim Morrison, e Kurt Cobain para citar os mais sonantes. Vítimas do excesso, e da desistência que perderam a vida para o mito. É já neste século que encontramos uma transformação geracional, explicável não apenas pela longevidade de bandas e figuras de diferentes épocas, sobretudo dos anos 80 para cá, como também pelos hábitos de consumo do público. Não é preciso recuar muitos anos para rever imagens de concertos rock com muita juventude, em que os séniores eram os pais dos filhos. Hoje, passa-se o contrário. Mais de vinte e cinco anos de festivais regulares e de uma presença de salas portuguesas cada vez mais assídua no circuito mundial de concertos teria que produzir os seus efeitos, a juntar ao amadurecimento da cultura rock.

Aqui chegados, e defronte de um contexto de segmentação cada vez maior, ei-los. Os festivais dirigidos não a quem procura a novidade, o último grito, ou o êxito pop do verão, mas a quem se abastece emocionalmente na memória. O EDP Vilar de Mouros é o caso mais evidente de revisionismo. Pelo retrovisor, vêem-se nomes como Bauhaus e Gary Numan (anos 80), Placebo, Suede e Limp Bizkit (90), Wolfmother e Hoobastank (2000), Battles (2010) e o intemporal Iggy Pop, de diferentes épocas, géneros e feitos, mas todos com uma carga histórica representativa das respectivas épocas. A juntar a estes, Legendary Tiger Man e Tara Perdida somam-lhe um cunho nacional, porque este fenómeno também sucede em Portugal.

Vilar de Mouros, o primeiro festival português de sempre, em 1971, com edições posteriores em 1982 e 1996 a escreverem a pré-história da cultura de festivais, celebra-se a si mesmo ao privilegiar a nostalgia de bandas e nomes que independentemente da sua relevância na actualidade, construíram património e compromisso com o(s) público(s). De 25 a 27 de agosto, no Alto Minho, o tempo volta para trás.

No caso do North Music Festival, na Alfândega do Porto, o espaço da nostalgia é alternado mas além do regresso dos Ornatos Violeta para celebrar 30 anos de carreira, quase a jogar em casa, o terceiro dia do festival que decorre de 26 a 28 de maio é dominado por veteranos. Desde logo, pelo Rock In Rio Douro dos GNR, banda-estandarte da cidade e da Pronúncia do Norte. Há mais, com os eternos Waterboys de Mike Scott, a banda do clássico The Whole of the Moon, e os Jesus & Mary Chain, nome charneira do rock alternativo ruidoso dos anos 80, em momento de celebração dos 35 anos do clássico Darklands, enquanto preparam um novo longa-duração.

Ainda pelo Norte, a noite de 10 de junho no NOS Primavera Sound tem como figuras de proa os regressados Pavement, pináculos do rock alternativo da década de 90, e Beck, também ele um resistente à passagem do tempo, assumido diferentes fases, vestes sonoras e chapéus. A 11 de junho, espaço para outra banda cabecilha dos anos 90: os sónicos Dinosaur Jr.

Espalhados por outros festivais, 2022 é o ano do regresso dos Da Weasel aos palcos, mais de dez anos após a separação, no NOS Alive, e dos Delfins, no Rock In Rio. No EDP CoolJazz, encontramos, por exemplo, Paul Anka e Jorge Ben Jor, enquanto nos Jardins do Marquês há presenças anunciadas de Beach Boys e Marisa Monte.

Bilhetes EDP Vilar de Mouros aqui

Bilhetes North Music Festival aqui

Bilhetes NOS Alive aqui

Bilhetes Rock in Rio aqui

Bilhetes EDP CoolJazz aqui

Não há comentários

Comentários estão fechados